VIII PASSO 2: NAMORO

VIII PASSO 2: NAMORO

Narrado por Alessandra

Se passou um mês depois do sexo em minha casa, estávamos cada vez mais íntimas, tanto no sexo quanto na vida. Dormíamos juntas, comíamos juntas, ela já tinha passe livre para entrar em meu prédio e eu no dela. Uma semana atrás, resolvi ser bem ousada, lhe dei uma chave do meu apartamento, ela se sentiu surpresa, eu não queira pressioná-la, mas essa era uma forma de demonstrar que eu queria algo sério, ela aceitou, e eu deixei bem claro que ela não precisava fazer o mesmo, que aos poucos iria ter esse tipo de confiança em mim, eu logo notei sua expressão de relaxamento, no mais, tudo ia seguindo bem. Deixei claro para o meu pai sobre o ocorrido, e que ele não poderia mais entrar e sair de minha casa quando bem entendesse, ele ficou irritado com isso, mas ao mesmo tempo achou o certo a se fazer, pelo menos serviria para deixá-lo afastado por um tempo.

Então chegou a hora de avançar, iria pedí-la em namoro, e seria essa noite, estava tudo arrumado em minha residência, preparei um jantar especial, decorei com bastantes flores, velas, pouca luz, bem clichê, mas soara romântico, e era esse o objetivo. Camila sairia da empresa direto para meu apartamento, eu a enganei dizendo que não estaria, então ela entraria logo, a situação estava tão séria que ela já tinha algumas roupas em minha casa, assim como eu tinha na dela. Com tudo pronto, tomei um banho, e a esperei. Eu usava um vestido preto, liso, e saltos vermelhos, assim como meu batom maquiagem fraca e cabelos soltos. Agora era só esperá-la, de certa forma eu estava nervosa e ansiosa.

Não demorou muito para eu escutar a porta se abrir, Camila entrou com suas roupas sociais sexys, acho que nunca me acostumarei com ela usando isso, sem pensar em fodê-la. Estou sentada no sofá. Ela entra e observa toda a escuridão, logo vai de encontro ao botão de acender as luzes, ainda não notara a minha presença, quando o faz, ela solta um gritinho de susto, não por me ver, mas por olhar a decoração com muitas flores e a mesa posta para dois.

– Amor… – Sim, era assim que nos tratávamos. – Ale, você está aqui?

Ela diz se encaminhando em direção a mesa, ela ainda não me viu, então resolvo ir atrás dela, quando ela para em frente à mesa eu a abraço por trás, ela se assusta.

– Meu Deus Ale, não faça isso, quer me matar?

– Só se for de prazer minha querida.

Ainda sem se virar para mim, ela encara a mesa novamente.

– O que significa isso tudo? Eu esqueci alguma data especial?

– Não amor. Será que não posso fazer uma surpresa para minha mulher? – Falo dando leves selinhos em seu pescoço e nuca.

– Claro que pode, e eu adorei. – Agora ela se vira para mim. – Uau, você está linda. Me diga Ale, eu esqueci algo não foi? Você aprontou alguma coisa? Por que se sim, um jantar romântico e você sexy desse jeito não irá livrar sua cara, principalmente se tiver outra mulher envolvida.

– Claro que não minha ciumenta, eu nunca ousaria te trair amor, e nunca ousaria tocar em outra pessoa que não seja você, nunca. – Falo para logo depois tomar seus lábios para mim.

– Obrigada, então me deixe tomar um banho e trocar de roupa, e então prometo lhe dá atenção.

– Ok, enquanto isso, colocarei a comida para esquentar.

Lhe dou um selinho para logo vê-la indo em direção ao “nosso” quarto. Coloco a travessa no micro-ondas e espero o tempo. Cerca de 20 minutos depois, Camila volta usando um vestido simples, soltinho e rodado, sem saltos, calçava uma sapatinha preta, o que a deixava fofa, mas dessa vez seus cachos estavam presos, em um rabo de cavalo, o que a deixava sexy também. Ela desce as escadas, e me olha colocando a lasanha na mesa, essa era uma das comidas que nós duas mais gostávamos.

– Jantar à luz de velas, flores, roupa sexy, comida especial, o que você está aprontando Ale? – Ela pergunta em um tom brincalhão.

– Já disse, só estou agradando a minha mulher.

– Ok, então vamos comer, estou morrendo de fome, e essa lasanha parece está ótima.

– Sim meu amor, vamos.

Eu a sirvo, com a lasanha e o vinho, comemos entre risadas, e conversas sobre o dia, o trabalho e outras coisas, ela pergunta sobre meu pai, eu apenas digo que ele está bem, e apenas quer nos dá privacidade. Ele estava se mantendo longe e era o que importava.

Depois do jantar, de arrumar superficialmente a mesa, agora estamos nos agarrando no sofá, ela a todo custo tenta tirar minha roupa, e ela vai, mas não agora, ainda tenho uma surpresa.

– Amor, porque não está deixando eu tirar sua roupa? Você não quer?

– Eu sempre quero querida, mas não aqui, vamos para o quarto?

Ela concorda, caminhamos para o quarto, o percurso todo movido a amassos e beijos quentes. Quando chegamos ela se joga na cama, ela realmente quer transar hoje.

– O que você tem? Parece que está mais apressada hoje.

– Não sei, deve ser meus hormônios, estou perto do meu período. Eu quero você agora amor, estou pronta para você.

Ela fala pegando minha mão e levando ao meio das suas pernas, o que me deixa louca, ela está completamente molhada. Uma das coisas que mais admiro em Camila é isso, ela sempre estará preparada quando quiser transar e isso me fascina.

– Tão molhada amor, tão pronta para mim.

– Me foda amor, agora.

– Calma pequena, quero que vá em nossa sala e escolha o que quer usar hoje, irei te foder bem forte. Escolha algo especial.

Ela concorda, mas antes de ir para lá, tira toda a sua roupa, me deixando louca com a visão, ela estava me provocando e isso estava me excitando. Ela logo me dá as costas deixando a mostra para mim toda aquela bunda maravilhosa, então pega a chave na gaveta e vai em direção a sala.

Narrado por Camila

Depois de provocar o máximo que posso Alessandra, entro na sala, irei escolher algo bem especial. Entrar nessa sala sempre me deixa mais excitada que o normal, mas sou surpreendida, no meio do cômodo tem uma pequena mesa, e nela um pedaço de papel com algo escrito, eu como boa curiosa que sou, vou até a mesa e pego, lendo o que tem:

NÃO SE PREOCUPE, NÃO É UM PEDIDO DE CASAMENTO, NÃO AINDA, EU TE AMO PEQUENA, E QUERO QUE SEJA MINHA OFICIALMENTE. VIRE-SE.

Meu coração está em disparada, essa mulher quer me matar, mas assim que faço o que papel mandou, sou surpreendida mais ainda por Alessandra, essa se encontra de joelhos em minha frente, segurando uma caixinha de veludo preta com duas alianças dentro, seu sorriso tímido mostra que ela está nervosa, e isso é raro de ser ver, Ale tímida e nervosa, para falar a verdade nunca a vi assim. Ela me encara com aqueles olhos claros que tanto amo, está apenas de roupas íntimas agora, e eu completamente nua a sua frente, depois de alguns segundos nos olhando ela se manifesta.

– Não é um pedido de casamento amor, não ainda, mas quero que todos saibam que você é minha, quero que usemos essa aliança para mostrar para o mundo que nos pertencemos, eu te amo, eu te amo demais, nunca duvide disso, então por isso, estou aqui, na sua frente, me entregando para você de corpo e alma, e te pergunto, Camila Colins Albuquerque, você quer namorar comigo?

Oh meu Deus! Ela preparou isso tudo para me pedir em namoro, céus, eu amo essa mulher, amo demais, e quero passar os restos dos meus dias com ela, essa é uma certeza em minha vida. Sim minha resposta é sim, eu aceito, mas minha voz não sai, estou em transe, completamente paralisada.

– Amor, e sei que deve estar emocionada, impressionada, até me amando mais, só que preciso de uma resposta, até porque meus joelhos estão doendo.

– Oh meu Deus. – Sou tirada do meu transe. – Desculpa amor, sim, minha resposta é sim, eu te amo.

Logo depois de minhas palavras ela levanta, e toma meus lábios para si, um beijo apaixonado, demonstrando o quanto nos amamos. Após o ar se fazer necessário, ela encosta sua testa na minha.

– Eu prometo de fazer feliz, sempre.

– Eu também meu amor, eu te amo.

Ela me dá um selinho, separa nossos corpos, pega uma das alianças da caixinha e pede minha mão que dou prontamente, ela coloca a aliança em meu dedo da mão direita. Ela é simples, mas é linda. Eu solto um largo sorriso e então ela beija meus dedos e me encara. Eu faço o mesmo processo com a sua aliança, nós nos beijamos, então ela me suspende, enlaçando minhas pernas em sua cintura, me pressionando na parede, o que me faz gemer.

– Você ainda quer ser fodida?

– Sim, quero.

– Ótimo.

Sem aviso ela leva sua mão entre minhas pernas e me penetra com dois dedos, me fazendo gemer alto.

– Eu te amo.

– Eu também te amo pequena, agora você é mais minha do que nunca.

Então me beija, ela me fez gozar naquela noite várias vezes, em seus dedos, em sua boca, em nossos brinquedos, ela é insaciável, e eu adoro isso, somos perfeitas uma para outra.

Leia outros capítulos desta história<< VII PASSO 1: CONQUISTAIX PASSO 3: MORAR JUNTO >>
Raquel Amorim
Raquel Amorim

Latest posts by Raquel Amorim (see all)

Deixe um comentário

Este site apresenta conteúdo erótico, sendo indicado somente para maiores de 18 anos. Permanecendo no site, você afirma ter idade requerida, eximindo a administração do Lesword de qualquer responsabilidade legal mediante a quebra das leis de Censura e de Proteção ao Menor e Adolescente. Literatura Lésbica. Cultura Lésbica. Histórias Lésbicas.